Quésia Ferreira

01/11/2018

Me lembro como se fosse hoje, quando o sonho de anos saiu do papel. O ano era 2016. Dois anos de preparações e expectativas. Dois anos que passaram voando e então chegou o dia. De madrugada no aeroporto Salgado Filho, a guria do interior, que nunca tinha estado no aeroporto antes, voou em direção a Toronto. Agora, olhando para tudo que vivi e vendo o quanto eu cresci, consigo comparar essa experiência com a compra de um vestido com zíper. Calma, não estou doida, mas as gurias vão me entender melhor. Quando você adquiri um vestido com zíper traseiro, nas primeiras vezes de uso você pede ajuda para fechá-lo e abri-lo. É normal... Você acostuma a ter alguém para lhe ajudar. Porém um dia, você está sozinha em casa, e, sem ninguém para ajudá-la, decide tentar sozinha e depois de muito esforço, você consegue, percebendo que agora não precisa de auxilio nessa tarefa. E assim é quando decide-se fazer um intercâmbio: primeiro dia é um tanto quanto desesperador! O que estou fazendo aqui? Onde estava com a cabeça? É a voz da insegurança: você não consegue sozinha (o). Mas te digo que você consegue SIM! E é a melhor sensação quando se percebe isso!

Toronto foi muito especial para mim! As pessoas que convivi, amigos que fiz e lugares que conheci ficarão para sempre em minha lembrança e nas milhares de fotos que tirei ao longo das 4 semanas. A vontade era de ficar, mas voltei com a sensação de dever cumprido. Tudo o que planejei ainda no Brasil, realizei em Toronto. A palavra que mais se encaixa neste momento é: GRATIDÃO! A Deus, a minha família, aos amigos e a equipe da Estudar no Exterior, especialmente o Guilherme, que não mediram esforços e me auxiliaram em todos os detalhes. Obrigada por tudo!