Depoimento - Karoline Mello

08/05/2019

Ao ter a ideia de realizar um intercâmbio, é ter a certeza de se abrir à mudanças, à novos ares, à uma vida nova. Tudo novo, nada se mantém.
A partir do momento em que tive a absoluta certeza que iria para a Irlanda, tudo, absolutamente tudo que eu fazia era em torno e/ou para essa decisão tomada, pois, deixar o meu país, meu estado, minha cidade, meu lar, deixando fisicamente o conforto, amor e carinho dos meus familiares e amigos... Não é nada fácil! Porém, tudo isso, assim como toda decisão, lados bons existem. Muitos, aliás.
O primeiro: a segurança que a agência me passou anteriormente de eu mesma fechar a viagem com eles; segurança essa que foi mantida e garantida durante todo o meu período de intercâmbio, claro. Além de todos os outros aspectos e riquezas que um intercâmbio proporciona ao indivíduo que nele está inserido, como eu estive. Experiência gigante de formas variadas para compartilhar, trocar e enriquecer relações culturais, estudantis e educacionais. E o mais importante, o quanto esse intercâmbio contribuiu com minha formação pessoal, olhando pelo lado de independência, maturidade, segurança e o mais relevante, o desenvolvimento da minha autonomia (tomar decisões longe de pessoas que poderiam ser apoio durante uma queda ou sucesso), que é algo importantíssimo na faixa etária de idade que eu me encontrava durante o período no exterior (19 anos). Experiências essas que continuam ao falar da convivência social, criação de laços afetivos, o que fez com que eu mesmo longe de casa, me sentisse bem acomodada, feliz e "familiarizada" com o ambiente.

No mais, o que eu tanto queria, também aconteceu: o meu aperfeiçoamento e crescimento no inglês. Onde o mesmo avançou de forma continua e gratificante. Conhecer com uma grande facilidade a Europa em sí, pois, a praticidade de deslocamento entre os países é grande, e com o inglês bem aplicado, tudo se torna mais fácil.

Nada que eu possa comprar tem o valor de um intercâmbio, jamais. Pois, o mesmo só se torna valorizado pra quem o vive, pra quem o faz.